ABORDAGEM COMUNICATIVA


ABORDAGEM COMUNICATIVA

Assim como aprendemos certas habilidades quase que naturalmente, tais como andar de bicicleta, nadar, falar a primeira língua e assim por diante. Por exemplo, ao prender a andar de bicicleta quando criança, ninguém dá instruções detalhadas de como as marchas funcionam, e como os pneus foram fabricados e de quando a bicicleta foi inventada. Muito pelo contrário, essas informações apenas deixaria a criança confusa. Da mesma maneira, a aprendizagem de uma segunda língua deve se dar de forma natural, com foco em prática e prazerosa, que leve a pessoa a se comunicar com confiança e naturalidade.

É a abordagem comunicativa que inspira os métodos hoje mais eficazes. Pensando nisso, o 
CCL adota uma série de métodos que priorizam a comunicação e não a simples memorização de determinadas regras, estruturas e expressões. 

Na abordagem comunicativa, a unidade básica da língua, que requer atenção, é oato comunicativo, ao invés das frases em si. A função se sobrepõe à forma, e é o significado e as situações que inspiram o plano didático e a confecção dos materiais. Competência comunicativa passa ser o objetivo em vez do acúmulo de conhecimento gramatical ou da estocagem de formas memorizadas.

"A aquisição (da língua) requer interação compreensível na língua estudada- comunicação natural – nas quais os falante não se preocupam com a forma de suas frases, mas sim com as mensagens que tentam comunicar e entender".  diz Stephen Krashen em sua respeitada teoria sobre aprendizado de línguas estrangeiras.

O ensino de línguas eficiente não é aquele atrelado a um pacote didático predeterminado, gramaticalmente sequenciado, baseado em tradução ou em exercícios orais repetitivos e mecânicos, nem aquele que utiliza recursos tecnológicos. O ensino de línguas eficiente é aquele que é personalizado, em ambiente bi cultural, e que explora as habilidades pessoais do facilitador em construir relacionamentos, criando situações de comunicação real voltadas às áreas de interesse do aluno, com uma linguagem ao alcance do seu entendimento.

Sendo assim, a abordagem comunicativa se baseia na assimilação natural da língua e não em seu estudo formal. Que é bem exemplificado na tabela abaixo: